5.5
Ok
Cinema / TV

Análise a ‘Dívida Perigosa’

A premissa de “Dívida Perigosa” (no original bastante mais literal, “The Outsider”) assenta num cliché já familiar. Um estrangeiro que subitamente se encontra no meio de uma cultura complexa e fechada, lentamente ganha a confiança de alguns membros-chave até eventualmente ser aceite como um deles. Fosse este o único lugar-comum empregue no enredo do filme, não seria pecado suficiente para macular a exploração do mundo da máfia japonesa pós Segunda Guerra Mundial. Infelizmente, a intriga onde o ex-militar americano Nick Lowell (Jared Leto) se vê envolvido após a sua aceitação no seio da família Shiromatsu é tão genérica e batida como o conceito inicial. O filme perde ainda a oportunidade de explorar o seu cenário e aprofundar as personagens, em prol da inclusão de cenas superficialmente representativas dos rituais das organizações mafiosas Yakuza como quem coloca vistos nos itens de uma lista orientadora do género.

A apresentação, no entanto, é um ponto positivo que cativa onde o enredo falha. A história assume um espírito carregado e sóbrio que privilegia o ato em vez do diálogo, adequado tanto para os problemas com a barreira linguística, como na representação do mundo negro do crime organizado e dos seus participantes. Com exceção das inferiores cenas finais do filme, os momentos de tensão são bem conseguidos e muitas vezes interligados com consequências onde o realizador Martin Zandvliet não se coíbe de apresentar violência com imagens explícitas. A cinematografia de Camilla Hjelm, apesar de utilizar uma palete de cores propositadamente neutra e dramática, é indiscutivelmente adequada, apelativa e capaz de trazer o toque artístico a cenas que de outra forma poderiam seriam apenas monótonas ou tediosas.

A personagem de Jared Leto está na origem desta troca da fala pelos atos até em excesso. A história deixa o público completamente fora da mente de Nick, sem qualquer ideia da lógica ou motivação das suas decisões. O próprio passado do personagem é desconhecido até mais de metade do filme, onde alguma (parca) luz é lançada sobre o assunto. Embora o objetivo possa ser conhecer o personagem apenas através da sua interação com o mundo, é difícil criar uma conexão com a sua história ao mesmo tempo que se tenta fazer sentido das peças soltas da sua personalidade.

O cariz impassível, inexpressivo e misterioso de Nick dá pouco ou nenhum espaço de manobra ao ator premiado para que a sua performance se desenvolva para além do olhar frio e reações ágeis que caracterizam o personagem. Destacam-se outros papéis como o antagonista Kentaro (Masaki Miura) e o próprio Kiyoshi (Tadanobu Asano) que introduziu Nick à família Yakuza.

5.5
Ok

Dívida Perigosa

“Dívida Perigosa” centra-se em histórias e reviravoltas do mundo do crime organizado que já foram contadas em inumeráveis predecessores, mas possui uma estética apelativa e uma abordagem diferente que ressalvam algum interesse para fãs do género.

Pros

  • Cinematografia apreciável
  • Drama e tensão palpáveis

Cons

  • História genérica
  • Leitura da história condicionada por personagens "demasiado fechados"
  • Cenário histórico pouco explorado
@SopraCartuchos
Estudante de jornalismo, amante de histórias em todas as formas: escritas, no pequeno e grande ecrã, ou exploradas com um comando de videojogos na mão.
Scroll to top