7.5
Bom
Cinema / TV

Análise a ‘Ervas Daninhas’

Lendo a sinopse de Ervas Daninhas temos a impressão de que vamos embarcar em mais uma narrativa clichê, à la O Ódio Que Gerou o Amor, onde o professor de uma escola periférica com novas perspectivas de enxergar os alunos, muda a forma de ensinar e melhora a vida de todos ali. De certa forma, Ervas Daninhas é exatamente isso, mas não para por ai.

O filme inicia com uma sequência, quase que documental, com cenas de horror e pobreza, em contraste com imagens tradicionais de primeiro mundo. Desde esse primeiro momento, fica claro que este filme irá além da sala de aula e trará críticas a problemas sociais e políticos da contemporaneidade. Após um corte, somo apresentados à trama: temos o malandro Wael, interpretado pelo iraniano Kheiron que também assina a realização e guião do filme. Junto com sua amiga Monique (Catherine Deneuve), Wael segue a vida aplicando golpes em pessoas prestativas no estacionamento de um supermercado. Quando um desses golpes dá errado, Wael se vê obrigado a aceitar a proposta Victor (André Dussollier) e trabalhar como professor substituto num centro para crianças com problemas de comportamento.

Ao contrário das produções hollywoodianas, “Ervas Daninhas” apresenta um ritmo próprio não tão óbvio para filmes do gênero. É como se tivesse saído direto da cabeça do diretor para as telas, sem muitas intervenções de produtores e visionamentos prévios. É perceptível uma preocupação em contar a história através da câmera e enquadramentos, resgatando o essencial do cinema.  As transições entre cenas de flashback da infância de Wael, são bastante orgânicas, e tornam-se as sequências mais interessantes do filme ao percebermos o que está por trás das lições deste homem, sua conexão com Monique e o motivo pelo qual identifica-se com jovens do centro.

A narrativa mostra equilibrar bem comédia e drama. Mesmo tocando em temas consideravelmente tensos, o filme consegue levar sua mensagem de forma leve, atingindo públicos de diferentes idades. O guião, contudo, não é perfeito. Algumas conveniências narrativas são perceptíveis, à começar pelos “alunos problemáticos”. Para além do estabelecimento, nada nos é mostrado que realmente sustente essa problemática. Em certo momento até é sugerido que um dos alunos vai se envolver com coisas muito erradas, mas isso acaba sendo resolvido antes mesmo de se tornar uma adversidade. Nada que realmente prejudique o filme, mas fica aquela sensação de um final um tanto apressado.

DATA DE ESTREIA: 28/02/2019

REALIZAÇÃO: Kheiron

ARGUMENTO: Kheiron

ELENCO: Kheiron, Catherine Deneuve, André Dussollier

GÉNERO: Comédia

PAÍS:França & Bélgica

ANO: 2018

DURAÇÃO: 105 minutos

7.5
Bom

Ervas Daninhas

Kheiron traz frescor à tradicional fórmula hollywoodiana, num filme que emociona e diverte.
Filmmaker profissional, apaixonada pela arte de contar histórias através da imagem e do som.
Scroll to top