9.5
Muito Bom
Cinema / TV Destaques

Análise a ‘You’ – Temporada 1

No final do ano passado, a Netflix juntou à sua vasta coleção mais uma série para apegar os seus utilizadores. You é uma adaptação do livro epónimo escrito por Caroline Kepnes que narra como Joe Goldberg (Penn Badgley), proprietário de uma livraria em Nova Iorque, se apaixona e cria uma obsessão por uma cliente e aspirante escritora, Guinevere Beck (Elizabeth Lail).

A exacerbação digital e a consequente falta de privacidade são os elos desta alucinante análise à sociedade moderna. De uma forma bem estruturada, estes elementos servem de contraste à essência dos protagonistas, unidos pelo seu fascínio por literatura mas inseparáveis pela fixação das redes sociais. Joe pesquisa interesses e vulnerabilidades que Beck partilha na Internet para a seguir, moldar o seu comportamento e forçar o inevitável relacionamento entre ambos. Ainda que ficcional, esta premissa adequa-se à atualidade e espelha uma realidade cada vez mais frequente, salientando-a graças à naturalidade e simplicidade da construção das personagens, aliada às grandes performances dos protagonistas.

Nada, nem ninguém, se pode intrometer entre ambos e, para tal, Joe não olha a meios. O modo como a sua evolução é ilustrada acaba por ser algo sinistro para os espetadores. É certo que o enredo transmite uma perspetiva abrangente sobre Beck e as suas emoções. Contudo, dado que os acontecimentos são narrados pelo livreiro, acabamos por nos sentir sugados para o seu pequeno espaço íntimo onde é impossível não sentir empatia pelo protagonista. É frustrante, pois temos consciência das suas ações hediondas, mas também se torna eletrizante por nos inclinar a apoiá-lo e a ficar do seu lado, dada a sua aparente amabilidade e simpatia. Esta polarização cria ansiedade, incerteza e evoca uma vontade em consumir o episódio seguinte, como se nós próprios fossemos obcecados compulsivos. A certa altura damos conta de também estarmos encurralados no pequeno perímetro vidrado onde Joe guarda os seus mais valiosos livros.

A verdade é que esta forma de construir a narrativa permite elevar a qualidade de You e fugir à previsibilidade. Aquilo que podia ser uma trama cliché sobre um amor entre dois ratinhos de biblioteca rapidamente se transforma numa original e inesperada obra de romance dramático. Lança um olhar crítico sobre o papel das redes sociais e a forma como nos influenciam e nos expõem desnecessariamente a indivíduos alheios, enquanto apresenta as nuances entre amor e obsessão que põem em causa a estabilidade dos relacionamentos. Uma obra valiosa que explora as vulnerabilidades do ser humano, cruamente desfazendo o célebre lema “viveram felizes para sempre” sem quaisquer rodeios. Aquele que percecionamos ser o nosso maior herói, é, e sempre foi, o nosso maior vilão.

Realisticamente aterrorizante, You não só entretém como também serve de alerta para os perigos do mundo digital. Capaz de cortar a respiração, mantém o público com os olhos colados aos ecrãs enquanto equilibra sonhos e ilusão com temas sérios e tensão. A segunda temporada já foi confirmada e será uma prova de fogo para os produtores darem continuidade à elevada qualidade exibida nos capítulos de estreia.

 

9.5
Muito Bom

You

Um thriller arrepiante capaz de deixar qualquer um desconcertado.

Pros

  • Narrativa bem estruturada
  • Representação dos protagonistas
  • Banda Sonora
  • Subtileza do humor
  • Utilização de twists em momentos chave

Cons

  • Algumas cenas colocadas para encher tempo
A escrita, o cinema e a Netflix são o norte deste rapaz que procura não se perder no Mestrado em Gestão de Marketing.
Scroll to top