What’s Popular

Análise a ‘You’ – Temporada 1

No final do ano passado, a Netflix juntou à sua vasta coleção mais uma série para apegar os seus utilizadores. You é uma adaptação do livro epónimo escrito por Caroline Kepnes que narra como Joe Goldberg (Penn Badgley), proprietário de uma livraria em Nova Iorque, se apaixona e cria uma obsessão por uma cliente e aspirante escritora, Guinevere Beck (Elizabeth Lail).

A exacerbação digital e a consequente falta de privacidade são os elos desta alucinante análise à sociedade moderna. De uma forma bem estruturada, estes elementos servem de contraste à essência dos protagonistas, unidos pelo seu fascínio por literatura mas inseparáveis pela fixação das redes sociais. Joe pesquisa interesses e vulnerabilidades que Beck partilha na Internet para a seguir, moldar o seu comportamento e forçar o inevitável relacionamento entre ambos. Ainda que ficcional, esta premissa adequa-se à atualidade e espelha uma realidade cada vez mais frequente, salientando-a graças à naturalidade e simplicidade da construção das personagens, aliada às grandes performances dos protagonistas.

Nada, nem ninguém, se pode intrometer entre ambos e, para tal, Joe não olha a meios. O modo como a sua evolução é ilustrada acaba por ser algo sinistro para os espetadores. É certo que o enredo transmite uma perspetiva abrangente sobre Beck e as suas emoções. Contudo, dado que os acontecimentos são narrados pelo livreiro, acabamos por nos sentir sugados para o seu pequeno espaço íntimo onde é impossível não sentir empatia pelo protagonista. É frustrante, pois temos consciência das suas ações hediondas, mas também se torna eletrizante por nos inclinar a apoiá-lo e a ficar do seu lado, dada a sua aparente amabilidade e simpatia. Esta polarização cria ansiedade, incerteza e evoca uma vontade em consumir o episódio seguinte, como se nós próprios fossemos obcecados compulsivos. A certa altura damos conta de também estarmos encurralados no pequeno perímetro vidrado onde Joe guarda os seus mais valiosos livros.

A verdade é que esta forma de construir a narrativa permite elevar a qualidade de You e fugir à previsibilidade. Aquilo que podia ser uma trama cliché sobre um amor entre dois ratinhos de biblioteca rapidamente se transforma numa original e inesperada obra de romance dramático. Lança um olhar crítico sobre o papel das redes sociais e a forma como nos influenciam e nos expõem desnecessariamente a indivíduos alheios, enquanto apresenta as nuances entre amor e obsessão que põem em causa a estabilidade dos relacionamentos. Uma obra valiosa que explora as vulnerabilidades do ser humano, cruamente desfazendo o célebre lema “viveram felizes para sempre” sem quaisquer rodeios. Aquele que percecionamos ser o nosso maior herói, é, e sempre foi, o nosso maior vilão.

Realisticamente aterrorizante, You não só entretém como também serve de alerta para os perigos do mundo digital. Capaz de cortar a respiração, mantém o público com os olhos colados aos ecrãs enquanto equilibra sonhos e ilusão com temas sérios e tensão. A segunda temporada já foi confirmada e será uma prova de fogo para os produtores darem continuidade à elevada qualidade exibida nos capítulos de estreia.

 

O Cavalheiro com Arma – e o ato de viver feliz.

Escrito e realizado pelo americano David Lowery, autor de alguns filmes de médio sucesso dos últimos anos, chega aos cinemas esta semana, O Cavalheiro com Arma, obra um tanto verídica da história real de Forrest Tucker, um típico ladrão de bancos, na casa dos 70 anos, desde a sua fuga da prisão de San Quentin, a uma sucessão de roubos e fugas das autoridades, que encantavam o público, com charme e sorrisos por onde passava, e esta é também, a aventura do cativado detetive que o perseguiu, John Hunt, e de uma mulher, que no final o amou, apesar de tudo.

Já em exibição, este filme com honras do festival de Toronto, é uma das mais bonitas e belas histórias de vida que vi ultimamente, totalmente inspirado em factos, é o drama melodramático que mais me entreteve recentemente, um filme audacioso, como o nosso personagem central, apenas me sentei na sala e observei um homem a cometer crimes de sorriso no rosto, e retive em mim o sentimento de adoração, de um homem sem pena do que fazia, pois era feito sem vitimizar ninguém, e isso é o que melhor passa do filme, mesmo de um género já gasto, e que demora a revelar, de um homem nos finais da vida, apenas a fazer o que melhor sabe, e o que mais gosta, e que acabamos por respeitar, de todas as maneiras e mais algumas, é um homenagem a uma figura de pura e dura classe americana.

Robert Redford, nomeado aqui aos Globos de Ouro, para melhor ator, senhoras e senhores, é a classe em pessoa, um ator mais que respeitado e apreciado pela sua presença, hoje com 82 anos, e ainda para as curvas, é quem respira este personagem, em todo o seu carácter e charme no ecrã, carismático por natureza que afeta a audiência, numa performance não se sabe, mas que pode muito bem ser, a derradeira antes da reforma, o ator deixa o filme na mais alta frequência capaz, apesar de não ser o filme do ano, é apenas em termos de entretenimento, a mais relaxante experiência de cinema que se pode ter, num filme que lhe dá tudo o que espera dele, e ainda um pouco mais, o ator é razão deste filme existir, a briza que eleva no filme é imensa, e numa atuação graciosa como esta, só lhe deve dar mérito, de um velho sábio e carinhoso, com uma personalidade de matar corações.

O filme conta ainda com dois atores de peso, a atriz Sissy Spacek, a Jewel, e jóia do nosso ladrão, também ela graciosamente tremenda no seu tempo, e com o ator Casey Affleck, no papel do detetive, completam a poesia bonita e mais intensa dos últimos tempos, num filme de lento passe mas nada enfastiador, de um homem, junto do seu gangue de três homens, que apenas fazia o que queria que a vida dele fosse, roubar bancos, sem dor, apenas com o sorriso, classe pura e entretenimento, num filme calmo mas com todos os elementos presentes, para apreciar as mais particulares caraterísticas da vida deste homem, de um ladrão com cadastro desde os seus 13 anos, que teve 16 fugas de diferentes prisões conseguidas no seu tempo, e mais de 90 roubos, mas que no fim, não se consegue apontar ou criticar, especificamente, é um filme de direção para a loucura, mas realista e genuína, de um homem natural e bem disposto romântico, que certamente lhe recomendamos.

Que mais pode querer, vá ao cinema e veja esta belíssima peça de poesia cinematográfica, onde Robert Redford é Forrest Tucker apenas, um cavalheiro, a viver as aventuras da vida, com um sorriso.

 

Passatempo Prémios Exclusivos – Aquaman

8.5Bits em parceria com a Warner Bros. Pictures/NOS Audiovisuais têm para te oferecer prémios exclusivos do filme ‘Aquaman‘.

Do realizador James Wan chega-nos “Aquaman” – com Jason Momoa no principal papel – um filme cheio de ação e aventura que explora o deslumbrante e vasto mundo subaquático dos sete mares. O filme revela a origem da história de Arthur Curry, o meio-humano e meio-atlante, que irá ter a viagem da sua vida. Forçado a ver quem realmente é, Aquaman terá de descobrir se é merecedor do título para o qual nasceu – o de Rei.

O filme conta também com a presença de Amber Heard ( “Liga da Justiça”, “Magic Mike XXL”) que interpreta Mera, uma guerreira forte e a aliada de Aquaman na sua jornada; o nomeado para um Óscar Willem Dafoe (“Platoon – Os Bravos do Pelotão” e “Homem – Aranha 2”) como Vulko, conselheiro do trono de Atlântida; Patrick Wilson (dos filmes “The Conjuring” e “Mercenários”) como Orm/Senhor dos Oceanos, o atual Rei de Atlântida; Dolph Lundgren (dos filmes “Os Mercenários”) como Neureus, Rei da tribo de Atlântida Xebel; Yahya Abdul-Mateen II ( da série da Netflix “The Get Down”) como o vingativo Black Manta; a vencedora de um Óscar Nicole Kidman (“As Horas” e “Lion – A Longa Estrada para Casa”) como a mãe de Artur, Atlanna; Ludi Lin (“Power Rangers”) como Capitão Murk, do Comando de Atlântida; e Temuera Morrison (“Star Wars: Episódio II – O Ataque dos Clones”, “Green Lantern – Lanterna Verde”) interpreta o pai de Arthur, Tom Curry.

James Wan realiza a partir do argumento de David Leslie Johnson-McGoldrick (“The Conjuring 2 – A evocação”) e Will Beall (“Força Anti – Crime” e da série de TV “Dia de Treino”), história de Geoff Johns & James Wan e Will Beall, baseado nas personagens do universo DC – Aquaman, criado por Paul Norris e Mort Weisinger. O filme é produzido por Peter Safran e Rob Cowan, com Deborah Snyder, Zack Snyder, Jon Berg, Geoff Johns e Walter Hamada como produtores executivos.

A equipa criativa de Wan inclui os colaboradores habituais, como o diretor de fotografia nomeado para um Óscar, Don Burgess (“The Conjuring 2 – A Evocação” e “Forrest Gump”), o montador Kirk Morri, com quem já trabalhou cinco vezes (““The Conjuring 2 – A Evocação”, “Velocidade Furiosa 7” e dos filmes “Insidioso”), o designer de produção Bill Brzeski (“Velocidade Furiosa 7”). A direção de guarda roupa fica a cargo de Kym Barret (Trilogia “Matrix”, e “O Fantástico Homem – Aranha 2: O Poder do Electro”) e o compositor Rupert Grgson-Williams (“Mulher – Maravilha”).

“Aquaman” já nos cinemas.

O que temos para oferecer:

3 Mochilas AQUAMAN

3 Chapéus AQUAMAN

3 Autocolantes AQUAMAN

3 Capas de Iphone AQUAMAM

3 Packs Vynl set

3 Porta-Chaves

3 Mystery Mini

Facebook: @funkoeurope / Twitter: @funkoeurope / Instagram @funko_europe

Podes participar até às 23:59h de dia 31 de Janeiro.

Para participares só tens de
-Preencher o formulário abaixo

Verifica as regras do passatempo aqui: http://8dot5bits.com/regulamentos/

JÁ NOS CINEMAS

#Aquaman

www.aquamanmovie.net/

© 2019 Warner Bros. Ent. All Rights Reserved

TM & @ DC Comics

 

Passatempo Antestreia – Uma Luta Desigual

O  8.5Bits e a Pris Audiovisuais têm para te oferecer a possibilidade de assistires à antestreia do filme ‘Uma Luta Desigual‘.

VENCEDORES

PORTO
Alexandra Manuel da Silva Magalhães Caraslindas
Ana Soraia Pereira Vasconcelos Freitas
Cristina Maria Baldaia Marques
Fábio Miguel Freitas Ferreira
Filipa Raquel Castro Teixeira
Filipe André Castro Pinto
Francisca Maria Loureiro Ferreira dos Santos
Hugo Alexandre de Almeida Moreira
José Henrique Nogueira da Silva
José Miguel da Silva Magalhães
Marta Emília da Silva e Sousa
Marta Luísa Carranca Neves
Pedro Jorge Soveral Elias
Ramiro Marques Moreira
Sara Raquel Nascimento Costa

LISBOA
Ana Cristina Tavares de Sá Cerqueira Afonso
Ana Rita de Sousa Ramalho da Silva
Beatriz Santos da Silva
Carlos José Gonçalves Ribeiro
Carlos Manuel Oliveira Marques
Fabio Haroldo Tavares Fonseca Dantas
Luís Filipe da Piedade André
Maria Matos Martins
Miguel Duarte Fernandes Nunes
Patricia Alexandra Santos Gil Costa

“Um filme emocionante e inspirador que acompanha a vida de Ruth Bader Ginsburg, a segunda mulher que se tornou juíza do Supremo Tribunal dos Estados Unidos“.

O filme percorre a história da juíza antes de ela ser nomeada ao cargo, em 1993, pelo então presidente Bill Clinton e descreve também a luta que fez pela igualdade de direitos para as mulheres.

Quando Ruth (Felicity Jones) se une ao marido (Armie Hammer) para combater um caso de discriminação de género nos tribunais americanos, ela sabe que isso pode mudar para sempre a realidade do mundo, numa época em que ainda não havia a discussão sobre equidade entre homens e mulheres no ambiente jurídico.

Uma Luta Desigual é realizado por Mimi Leder (Impacto Profundo) e tem argumento de Daniel Stiepleman, contando com as interpretações de Felicity Jones, Hammer, Justin Theroux, Kathy Bates, Sam Waterston, Jack Reynor e Cailee Spaeny.

Temos 25 convites para a antestreia:

10 convites duplos
Lisboa – Cinema UCI, El Corte Inglés – Dia 9 de Janeiro, às 21:30h

15 convites duplos
Porto – Cinema UCI, Arrábida Shopping –Dia 9 de Janeiro, às 21:30h

Podes participar até às 10h de dia 8 de Janeiro.

Para participares só tens de
-Preencher o formulário abaixo
-Partilhar publicamente esta publicação:

-Fazeres like à página do 8.5Bits (caso não o tenhas feito antes)

Verifica as regras do passatempo aqui: http://8dot5bits.com/regulamentos/

PASSATEMPO TERMINADO

Os vencedores serão anunciados em breve.

NO CINEMA A 10 DE JANEIRO

O envio da listagem de vencedores para os cinemas é da responsabilidade do distribuidor do filme sendo o 8.5Bits apenas promotor do passatempo. 
Em situações extraordinárias, os vencedores poderão contactar-nos via mensagem privada no Facebook.

Editor's Choice

Análise a ‘You’ – Temporada 1

No final do ano passado, a Netflix juntou à sua vasta coleção mais uma série para apegar os seus utilizadores. You é uma adaptação do livro epónimo escrito por Caroline Kepnes que narra como Joe Goldberg (Penn Badgley), proprietário de uma livraria em Nova Iorque, se apaixona e cria uma obsessão por uma cliente e aspirante escritora, Guinevere Beck (Elizabeth Lail).

A exacerbação digital e a consequente falta de privacidade são os elos desta alucinante análise à sociedade moderna. De uma forma bem estruturada, estes elementos servem de contraste à essência dos protagonistas, unidos pelo seu fascínio por literatura mas inseparáveis pela fixação das redes sociais. Joe pesquisa interesses e vulnerabilidades que Beck partilha na Internet para a seguir, moldar o seu comportamento e forçar o inevitável relacionamento entre ambos. Ainda que ficcional, esta premissa adequa-se à atualidade e espelha uma realidade cada vez mais frequente, salientando-a graças à naturalidade e simplicidade da construção das personagens, aliada às grandes performances dos protagonistas.

Nada, nem ninguém, se pode intrometer entre ambos e, para tal, Joe não olha a meios. O modo como a sua evolução é ilustrada acaba por ser algo sinistro para os espetadores. É certo que o enredo transmite uma perspetiva abrangente sobre Beck e as suas emoções. Contudo, dado que os acontecimentos são narrados pelo livreiro, acabamos por nos sentir sugados para o seu pequeno espaço íntimo onde é impossível não sentir empatia pelo protagonista. É frustrante, pois temos consciência das suas ações hediondas, mas também se torna eletrizante por nos inclinar a apoiá-lo e a ficar do seu lado, dada a sua aparente amabilidade e simpatia. Esta polarização cria ansiedade, incerteza e evoca uma vontade em consumir o episódio seguinte, como se nós próprios fossemos obcecados compulsivos. A certa altura damos conta de também estarmos encurralados no pequeno perímetro vidrado onde Joe guarda os seus mais valiosos livros.

A verdade é que esta forma de construir a narrativa permite elevar a qualidade de You e fugir à previsibilidade. Aquilo que podia ser uma trama cliché sobre um amor entre dois ratinhos de biblioteca rapidamente se transforma numa original e inesperada obra de romance dramático. Lança um olhar crítico sobre o papel das redes sociais e a forma como nos influenciam e nos expõem desnecessariamente a indivíduos alheios, enquanto apresenta as nuances entre amor e obsessão que põem em causa a estabilidade dos relacionamentos. Uma obra valiosa que explora as vulnerabilidades do ser humano, cruamente desfazendo o célebre lema “viveram felizes para sempre” sem quaisquer rodeios. Aquele que percecionamos ser o nosso maior herói, é, e sempre foi, o nosso maior vilão.

Realisticamente aterrorizante, You não só entretém como também serve de alerta para os perigos do mundo digital. Capaz de cortar a respiração, mantém o público com os olhos colados aos ecrãs enquanto equilibra sonhos e ilusão com temas sérios e tensão. A segunda temporada já foi confirmada e será uma prova de fogo para os produtores darem continuidade à elevada qualidade exibida nos capítulos de estreia.

 

O Cavalheiro com Arma – e o ato de viver feliz.

Escrito e realizado pelo americano David Lowery, autor de alguns filmes de médio sucesso dos últimos anos, chega aos cinemas esta semana, O Cavalheiro com Arma, obra um tanto verídica da história real de Forrest Tucker, um típico ladrão de bancos, na casa dos 70 anos, desde a sua fuga da prisão de San Quentin, a uma sucessão de roubos e fugas das autoridades, que encantavam o público, com charme e sorrisos por onde passava, e esta é também, a aventura do cativado detetive que o perseguiu, John Hunt, e de uma mulher, que no final o amou, apesar de tudo.

Já em exibição, este filme com honras do festival de Toronto, é uma das mais bonitas e belas histórias de vida que vi ultimamente, totalmente inspirado em factos, é o drama melodramático que mais me entreteve recentemente, um filme audacioso, como o nosso personagem central, apenas me sentei na sala e observei um homem a cometer crimes de sorriso no rosto, e retive em mim o sentimento de adoração, de um homem sem pena do que fazia, pois era feito sem vitimizar ninguém, e isso é o que melhor passa do filme, mesmo de um género já gasto, e que demora a revelar, de um homem nos finais da vida, apenas a fazer o que melhor sabe, e o que mais gosta, e que acabamos por respeitar, de todas as maneiras e mais algumas, é um homenagem a uma figura de pura e dura classe americana.

Robert Redford, nomeado aqui aos Globos de Ouro, para melhor ator, senhoras e senhores, é a classe em pessoa, um ator mais que respeitado e apreciado pela sua presença, hoje com 82 anos, e ainda para as curvas, é quem respira este personagem, em todo o seu carácter e charme no ecrã, carismático por natureza que afeta a audiência, numa performance não se sabe, mas que pode muito bem ser, a derradeira antes da reforma, o ator deixa o filme na mais alta frequência capaz, apesar de não ser o filme do ano, é apenas em termos de entretenimento, a mais relaxante experiência de cinema que se pode ter, num filme que lhe dá tudo o que espera dele, e ainda um pouco mais, o ator é razão deste filme existir, a briza que eleva no filme é imensa, e numa atuação graciosa como esta, só lhe deve dar mérito, de um velho sábio e carinhoso, com uma personalidade de matar corações.

O filme conta ainda com dois atores de peso, a atriz Sissy Spacek, a Jewel, e jóia do nosso ladrão, também ela graciosamente tremenda no seu tempo, e com o ator Casey Affleck, no papel do detetive, completam a poesia bonita e mais intensa dos últimos tempos, num filme de lento passe mas nada enfastiador, de um homem, junto do seu gangue de três homens, que apenas fazia o que queria que a vida dele fosse, roubar bancos, sem dor, apenas com o sorriso, classe pura e entretenimento, num filme calmo mas com todos os elementos presentes, para apreciar as mais particulares caraterísticas da vida deste homem, de um ladrão com cadastro desde os seus 13 anos, que teve 16 fugas de diferentes prisões conseguidas no seu tempo, e mais de 90 roubos, mas que no fim, não se consegue apontar ou criticar, especificamente, é um filme de direção para a loucura, mas realista e genuína, de um homem natural e bem disposto romântico, que certamente lhe recomendamos.

Que mais pode querer, vá ao cinema e veja esta belíssima peça de poesia cinematográfica, onde Robert Redford é Forrest Tucker apenas, um cavalheiro, a viver as aventuras da vida, com um sorriso.

 

Passatempo Prémios Exclusivos – Aquaman

8.5Bits em parceria com a Warner Bros. Pictures/NOS Audiovisuais têm para te oferecer prémios exclusivos do filme ‘Aquaman‘.

Do realizador James Wan chega-nos “Aquaman” – com Jason Momoa no principal papel – um filme cheio de ação e aventura que explora o deslumbrante e vasto mundo subaquático dos sete mares. O filme revela a origem da história de Arthur Curry, o meio-humano e meio-atlante, que irá ter a viagem da sua vida. Forçado a ver quem realmente é, Aquaman terá de descobrir se é merecedor do título para o qual nasceu – o de Rei.

O filme conta também com a presença de Amber Heard ( “Liga da Justiça”, “Magic Mike XXL”) que interpreta Mera, uma guerreira forte e a aliada de Aquaman na sua jornada; o nomeado para um Óscar Willem Dafoe (“Platoon – Os Bravos do Pelotão” e “Homem – Aranha 2”) como Vulko, conselheiro do trono de Atlântida; Patrick Wilson (dos filmes “The Conjuring” e “Mercenários”) como Orm/Senhor dos Oceanos, o atual Rei de Atlântida; Dolph Lundgren (dos filmes “Os Mercenários”) como Neureus, Rei da tribo de Atlântida Xebel; Yahya Abdul-Mateen II ( da série da Netflix “The Get Down”) como o vingativo Black Manta; a vencedora de um Óscar Nicole Kidman (“As Horas” e “Lion – A Longa Estrada para Casa”) como a mãe de Artur, Atlanna; Ludi Lin (“Power Rangers”) como Capitão Murk, do Comando de Atlântida; e Temuera Morrison (“Star Wars: Episódio II – O Ataque dos Clones”, “Green Lantern – Lanterna Verde”) interpreta o pai de Arthur, Tom Curry.

James Wan realiza a partir do argumento de David Leslie Johnson-McGoldrick (“The Conjuring 2 – A evocação”) e Will Beall (“Força Anti – Crime” e da série de TV “Dia de Treino”), história de Geoff Johns & James Wan e Will Beall, baseado nas personagens do universo DC – Aquaman, criado por Paul Norris e Mort Weisinger. O filme é produzido por Peter Safran e Rob Cowan, com Deborah Snyder, Zack Snyder, Jon Berg, Geoff Johns e Walter Hamada como produtores executivos.

A equipa criativa de Wan inclui os colaboradores habituais, como o diretor de fotografia nomeado para um Óscar, Don Burgess (“The Conjuring 2 – A Evocação” e “Forrest Gump”), o montador Kirk Morri, com quem já trabalhou cinco vezes (““The Conjuring 2 – A Evocação”, “Velocidade Furiosa 7” e dos filmes “Insidioso”), o designer de produção Bill Brzeski (“Velocidade Furiosa 7”). A direção de guarda roupa fica a cargo de Kym Barret (Trilogia “Matrix”, e “O Fantástico Homem – Aranha 2: O Poder do Electro”) e o compositor Rupert Grgson-Williams (“Mulher – Maravilha”).

“Aquaman” já nos cinemas.

O que temos para oferecer:

3 Mochilas AQUAMAN

3 Chapéus AQUAMAN

3 Autocolantes AQUAMAN

3 Capas de Iphone AQUAMAM

3 Packs Vynl set

3 Porta-Chaves

3 Mystery Mini

Facebook: @funkoeurope / Twitter: @funkoeurope / Instagram @funko_europe

Podes participar até às 23:59h de dia 31 de Janeiro.

Para participares só tens de
-Preencher o formulário abaixo

Verifica as regras do passatempo aqui: http://8dot5bits.com/regulamentos/

JÁ NOS CINEMAS

#Aquaman

www.aquamanmovie.net/

© 2019 Warner Bros. Ent. All Rights Reserved

TM & @ DC Comics

 

Passatempo Antestreia – Uma Luta Desigual

O  8.5Bits e a Pris Audiovisuais têm para te oferecer a possibilidade de assistires à antestreia do filme ‘Uma Luta Desigual‘.

VENCEDORES

PORTO
Alexandra Manuel da Silva Magalhães Caraslindas
Ana Soraia Pereira Vasconcelos Freitas
Cristina Maria Baldaia Marques
Fábio Miguel Freitas Ferreira
Filipa Raquel Castro Teixeira
Filipe André Castro Pinto
Francisca Maria Loureiro Ferreira dos Santos
Hugo Alexandre de Almeida Moreira
José Henrique Nogueira da Silva
José Miguel da Silva Magalhães
Marta Emília da Silva e Sousa
Marta Luísa Carranca Neves
Pedro Jorge Soveral Elias
Ramiro Marques Moreira
Sara Raquel Nascimento Costa

LISBOA
Ana Cristina Tavares de Sá Cerqueira Afonso
Ana Rita de Sousa Ramalho da Silva
Beatriz Santos da Silva
Carlos José Gonçalves Ribeiro
Carlos Manuel Oliveira Marques
Fabio Haroldo Tavares Fonseca Dantas
Luís Filipe da Piedade André
Maria Matos Martins
Miguel Duarte Fernandes Nunes
Patricia Alexandra Santos Gil Costa

“Um filme emocionante e inspirador que acompanha a vida de Ruth Bader Ginsburg, a segunda mulher que se tornou juíza do Supremo Tribunal dos Estados Unidos“.

O filme percorre a história da juíza antes de ela ser nomeada ao cargo, em 1993, pelo então presidente Bill Clinton e descreve também a luta que fez pela igualdade de direitos para as mulheres.

Quando Ruth (Felicity Jones) se une ao marido (Armie Hammer) para combater um caso de discriminação de género nos tribunais americanos, ela sabe que isso pode mudar para sempre a realidade do mundo, numa época em que ainda não havia a discussão sobre equidade entre homens e mulheres no ambiente jurídico.

Uma Luta Desigual é realizado por Mimi Leder (Impacto Profundo) e tem argumento de Daniel Stiepleman, contando com as interpretações de Felicity Jones, Hammer, Justin Theroux, Kathy Bates, Sam Waterston, Jack Reynor e Cailee Spaeny.

Temos 25 convites para a antestreia:

10 convites duplos
Lisboa – Cinema UCI, El Corte Inglés – Dia 9 de Janeiro, às 21:30h

15 convites duplos
Porto – Cinema UCI, Arrábida Shopping –Dia 9 de Janeiro, às 21:30h

Podes participar até às 10h de dia 8 de Janeiro.

Para participares só tens de
-Preencher o formulário abaixo
-Partilhar publicamente esta publicação:

-Fazeres like à página do 8.5Bits (caso não o tenhas feito antes)

Verifica as regras do passatempo aqui: http://8dot5bits.com/regulamentos/

PASSATEMPO TERMINADO

Os vencedores serão anunciados em breve.

NO CINEMA A 10 DE JANEIRO

O envio da listagem de vencedores para os cinemas é da responsabilidade do distribuidor do filme sendo o 8.5Bits apenas promotor do passatempo. 
Em situações extraordinárias, os vencedores poderão contactar-nos via mensagem privada no Facebook.

Scroll to top