Os anos noventa foram, para muitos, a era dourada dos jogos em PC, pela quantidade e qualidade dos títulos que saiam das mão de muitas companhias das quais, infelizmente, já não se ouve falar. A Microprose era uma delas, e lançou em 1994 um peculiar jogo de estratégia para PC, Amiga, e em 1995 para a Sony Playstation.

UFO: Enemy Unknown na Europa, X-COM: UFO Defense nos EUA, e X-COM: Enemy Unknown na Playstation, são os três títulos pelos quais o mesmo jogo é conhecido. No presente, não temos bem a noção que, nos anos noventa, entre séries como X-Files, avistamentos por todo o mundo, teorias da conspiração e alguns documentários dúbios, a temática dos OVNIs e dos extraterrestres estava na moda. O ambiente do jogo não podia ser mais adequado: num futuro assustadoramente próximo, cinco anos no futuro (1999), os avistamentos tornavam-se cada vez mais frequentes, avistamentos esses que rapidamente se tornam abduções de seres humanos, e os governos de todo o mundo estavam impotentes para combater a ameaça extraterrestre. Há relatos de ataques localizados em algumas cidades, e os governos de todo o mundo unem esforços na criação de uma força multinacional conhecida como X-COM. (eXtraterrestrial COMbat).

Somos postos no comando desta força, e devemos controlar a construção das bases e estruturas nelas presentes, a compra e venda de equipamento para os soldados, o recrutamento de pessoal militar e não-militar, como cientistas, que investigarão os nossos achados de tecnologia alienígena, ou que farão as autópsias aos alienígenas que abatermos, e os engenheiros, responsáveis por fabricar novas armas, armaduras, e mesmo aeronaves equipadas com novas tecnologias.

UFO: Enemy Unknown tem uma durabilidade ambiciosa, pois todas as missões e cenários são gerados aleatoriamente. Unindo esses factos à enorme quantidade de pesquisas que tínhamos que fazer até conseguirmos progredir no jogo, podemos afirmar que estamos perante semanas (ou mesmo meses) de jogo até chegarmos a algum lado. Era, realmente, a era dourada dos videojogos, quando os meros doze megabytes que UFO: Enemy Unknown ocupava nas nossas máquinas com o MS-DOS nos davam entretenga para muitíssimo tempo. Mas era entretenga com qualidade: várias publicações consideram UFO: Enemy Unknown um dos melhores jogos de PC de sempre, e a IGN, em 2007, elegeu-o mesmo como sendo o melhor jogo de PC de todos os tempos.

Um ano mais tarde, face ao sucesso, tanto comercial como junto da crítica, de UFO: Enemy Unknown, é lançado X-COM: Terror From the Deep. Trata-se de uma sequela direta, usando basicamente o mesmo motor de jogo, mas ambientada, essencialmente, no fundo dos oceanos. Era muito mais difícil e longo que o original, que já era difícil e grande quanto baste, e era algo mais repetitivo, pelo que não teve tanto sucesso. Seguiu-se X-COM: Apocalypse, que já usava outro motor de jogo, mas cujo sucesso já deixou algo a desejar. Houve ainda um par de spin-offs, Interceptor e Enforcer, de qualidade algo duvidosa.

Em 2012, foi lançado XCOM: Enemy Unknown (assim, sem o hífen) pelas mãos da Firaxis, em conjunto com a 2K. É um remake do original, para PS3, Xbox 360, PC, que veio a ter versões para PS Vita, Android e iOS. Juntamente com a expansão, XCOM: Enemy Within, encontramos um dos melhores jogos de estratégia da anterior geração de consolas: grafismo brilhante, banda sonora fenomenal, argumento muito mais linear e com uma narrativa mais envolvente que o original. O remake foi aplaudido por críticos e jogadores em igual dose, pelo que também ninguém estranhou quando XCOM 2 se estreou na atual geração de consolas e no PC.

XCOM 2 não é um remake de X-COM: Terror From the Deep, mas sim uma história original. No entanto, tudo aponta para que possa vir a haver um XCOM 3 que será, supõe-se, o novo Terror From the Deep.

Toda a saga XCOM pode ser encontrada no Steam e no GOG, para PC. No entanto, aproveitamos para vos dizer que toda a saga está em promoção no Humble Bundle (https://www.humblebundle.com/store/promo/xcom-franchise-sale/), sob a forma de chaves para o Steam, tanto os originais como os novos, com descontos muito apetecíveis: podem conseguir os cinco jogos originais da Microprose por 2,99€, o que é uma autêntica pechincha, mas os novos, da Firaxis e 2K, também estão com preços bem acessíveis.

Retrobits é uma rúbrica mensal que tenta recuperar parte da história dos videojogos. Desde grandes sucessos a joias escondidas, tentaremos deixar-vos neste espaço algumas sugestões de jogos perdidos no tempo.

Pedro Moreira é Reviewer no 8.5Bits | twitter @morenho27 | pedromoreira@8dot5bits.com