7.7
Bom
Videojogos

Teste a ‘Odium to the Core’

Odium to the Core é um videojogo da Qubic Games que foi lançado para PC, no Steam, em maio passado, e chegará à Nintendo Switch e à Xbox One nos dias vinte e cinco e vinte e seis deste mês, respetivamente.

Infelizmente, e como já é hábito, não vamos poder apresentar os vídeos de gameplay da versão da Nintendo Switch, uma vez que poucos títulos suportam captura de vídeo, e este não é um deles. Adiante…

Odium to the Core é um jogo tipicamente arcade, fazendo lembrar os antigos jogos de tiros bidimensionais de deslocação lateral, no qual controlamos um estranho ser, de nome Odium, com apenas um único botão (ficamos a pressionar para subir, largamos para descer). Ao longo de quinze níveis, superaremos inúmeros obstáculos, teremos alguns segredos para descobrir, muitos bosses de final de fase, que nos proporcionarão alguns momentos de séria diversão, e, espantem-se um argumento para descobrir, algo nada comum em jogos deste tipo. Seremos acompanhados por uma banda sonora que vai mudando de acordo com as nossas jogadas, assim como por cenários com um estilo artístico que parece, à primeira vista, algo estranho, mas que encaixa perfeitamente com a música e os movimentos de Odium, o que lhe confere uma estética muito interessante.

Pelo preço, 4,99€, parece-nos uma boa adição às vossas coleções, pois promete algumas horas de diversão, até mesmo porque o jogo nos encoraja a repetir os níveis para obter melhores pontuações. Claro que isso não será desculpa suficiente para o repetirmos até à exaustão, mas pelo preço pedido, não se pode exigir mais.

Pedro Moreira é Reviewer no 8.5Bits | twitter @morenho27 | pedromoreira@8dot5bits.com

7.7
Bom

Odium to the Core

Odium to the Core bebe a sua inspiração nos clássicos jogos de tiros em duas dimensões das arcadas, mas reinventa-os com uma jogabilidade, grafismo e sonoplastia que encaixam na perfeição e lhe conferem um tom verdadeiramente artístico. Uma proposta bastante interessante, especialmente face ao seu custo.

Pros

  • Jogabilidade divertida, especialmente nos bosses.
  • Estilo de arte gráfica e sonora.
  • Preço atrativo.

Cons

  • O único incentivo para o voltar a jogar é aumentar a pontuação.
Jogador desde os tempos do Spectrum, aficionado a jogos de Luta, Condução e RPG. Estudou Línguas e Literaturas na Universidade Nova de Lisboa, e Línguas, Literaturas e Culturas na Universidade de Évora. É Professor de Português e Espanhol, e nos (poucos) tempos livres consegue, por vezes, ligar o PC.
Scroll to top